Você está aqui: Início » Doenças » Intolerância alimentar em cães

Intolerância alimentar em cães

Compartilhe!
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Algumas vezes os cachorros podem dar trabalho para comer e rejeitar certos alimentos, e mesmo que a ração seja completa e muito rica em nutrientes, frutas e legumes que complementa a dieta do pet, é comum que haja a intolerância alimentar em cães.

Na realidade o que ocorre em algumas situações é que o cão pode estar com o seu estômago mais sensível e não esteja conseguindo ingerir a comida, o que acaba ocasionando na intolerância alimentar, em que o dono acaba nem desconfiando.

Com isso, igual aos seres humanos, muitas vezes o organismo dos cães não consegue processar determinados alimentos por diversas causas, como por uma alergia ou uma inflamação no estômago, em que ele não consegue digerir tudo o que comer ou até mesmo sentir o cheio da comida.

Intolerância alimentar em cães e alergia não são a mesma coisa

Se você tem pet em casa, é essencial que você saiba que a intolerância alimentar em cães e alergia se apresentam por causas diferentes, onde costumam possuir quadros de sintomas diferenciados.

Em relação a alergia, dependendo da gravidade que ela se encontra, ela pode causar inflamações, coceiras ou problemas na pele e nos pelos do cão. Já a intolerância alimentar em cães, ele irá se apresentar com gases, vômitos ou diarreia ao ter contato com o alimento.

Além disso, as alergias podem ser desencadeadas devido a uma predisposição que o organismo pode desenvolver em relação aos alérgenos que se encontram presentes nos alimentos, em que cada parte do alimento, um alérgeno possui um potencial.

Mas, por outro lado, a intolerância alimentar em cães se apresenta como uma rápida e violenta reação diante da incapacidade de o corpo de poder digerir certos tipos de alimentos.

Assim, entre as mais comuns podemos encontrar a intolerância à lactose, onde os cães produzem acúmulos de gases no intestino, dores no abdômen e vômitos, em que o corpo irá repelir esses alimentos e o ânimo do cão irá ser afetado, pois ele se mostrará hiperativo e irritado.

Como saber se o cão possui intolerância alimentar?

Determinados tipos de sintomas podem mostrar uma intolerância alimentar, em que é importante que o dono esteja atento. Caso o cão apresente coceira extrema, problemas na pele, inchaço nas pálpebras e perda de pelos, então ele poderá estar com alergia.

Além disso, isso pode ainda vir acompanhado da perda de fome, diarreia e vômitos devido à má digestão. Com isso, é essencial que se estabeleça uma considerável diferença entre alergia e intolerância.

A alergia geralmente surge maiores complicações na pele, e a intolerância, ao menor contato com o alimento, o cão já elimina o alimento, tanto evacuando e vomitando.

Geralmente, quando o organismo do cão possui predisposição em rejeitar os alérgenos de um alimento, ele acaba desenvolvendo a alergia, mas caso o cão seja intolerante, isso é um sinal de que ocorreu uma reação muito rápida do organismo não conseguir digerir a refeição.

Da mesma forma como ocorre outras doenças, o cão irá se tornar mais quieto e apático, não tendo muita vontade de se movimentar por conta do desconforto, e mesmo não sendo muito grave, a intolerância alimentar é muito incômoda, sendo da mesma forma que ocorre em seres humanos.

Vale ressaltar ainda que determinadas comidas realmente não devem ser oferecidas aos cães, pois não fazem parte da natureza deles, como chocolates, balas, pão ou qualquer outro tipo de alimento que os seres humanos comem.

Já em relação ao diagnóstico, esse é realizado pelo médico veterinário, onde são realizados exames clínicos que apresentam um panorama geral do organismo do cão. Assim, o veterinário irá recomendar todos os alimentos que o dono deve oferecer para o seu cão, o que pode facilitar muito.

Tratamento da intolerância alimentar em cães

Mesmo os motivos sendo diferentes das alergias e da intolerância alimentar em cães, o tratamento das duas são os mesmos, onde se deve retirar os alimentos que fazem mal, realizando uma dieta de eliminação.

No caso da dieta de eliminação, ela possui como principal objetivo ter um novo embasamento alimentar que garanta ao dono a substituição da dieta do seu cão por outra classe de alimentos.

Com isso, essa nova dieta necessita de um compromisso por parte do dono do cão, pois irá ser preciso muita dedicação de pelo menos dois meses, onde se deve oferecer ao cão alimentos novos e que sejam de preferência alimentos que ele não teve contato anteriormente.

Além disso, essas dietas podem ter como base tanto as reações hipoalérgicas como uma dieta caseira, mas, é necessário ter em mente que a maioria dos produtos que são encontrados nos supermercados pode não ser de total confiança.

Mas, caso decida usar uma dieta com base de ração, é sugerido que o dono busque adquirir aquela onde o veterinário recomendar, ou então que compre a marca que foi indicada por ele.

Normalmente, as dietas de eliminação sempre são compostas por um carboidrato e por uma proteína, em que essa última é muito importante para garantir a nutrição apropriada ao cão, porém, se lembre que essa deve ser da mesma fonte sempre.

É bastante comum que se utiliza para esse fim a carne de qualquer animal que não seja comum, ou seja, nem carne bovina, de aves ou de porcos, pois os cães podem apresentar certos tipos de reações em relação aos seus componentes.

Por isso, é bastante usado a carne de cervo, ou seja, a de veado como uma grande fonte de proteína para os cachorros que normalmente apresentam reações aos outros tipos de fontes.

Outro alimento que é proibido durante os dois meses da dieta de eliminação é usar os prêmios ou guloseimas, pois esses sempre possuem componentes de carne bovina ou de porco, além de aromatizantes.

Além disso, caso a fase da dieta de eliminação passar os dois meses e o cão não apresentar qualquer melhoria, é preciso que o dono complemente a dieta com vitaminas para que se evite um desequilíbrio nutricional.

Portanto, sobre a intolerância alimentar em cães, se você possui pet em casa e desconfia que ele esteja com esse problema, o melhor a se fazer é buscar por um veterinário para que ele se encontre ciente do histórico clínico do seu cão, pois assim ele irá lhe dar toda a orientação necessária sobre o tratamento.

 


Compartilhe!
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Acompanhe nossas dicas