Você está aqui: Início » Doenças » Testículo Ectópico em Cães (Criptorquidismo)

Testículo Ectópico em Cães (Criptorquidismo)

Compartilhe!
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O testículo ectópico ou criptorquidismo, em cães é algo muito comum, que pode afetar a todos os tipos de raças. Ele, é a ausência do testículo no saco escrotal do animal, causando uma deformação.

Durante a gestação, os testículos dos cães são formados dentro do abdômen, com o seu desenvolvimento, ele passa pelo canal inguinal, indo em direção ao escroto. Este é o procedimento comum para os cães.

Quando este processo não ocorre, o testículo fica preso no abdômen, ou em alguns casos, no canal inguinal, caracterizando assim o criptorquidismo, que tem como significado testículo escondido.

Ele pode ter duas formas, unilateral, quando somente um dos testículos fica escondido, ou bilateral, que é quando os dois testículos ficam escondidos. O unilateral é bem mais comum de ocorrer do que o bilateral.

Se o cão tiver o criptorquidismo unilateral, ele ainda poderá se reproduzir e ter filhotes, porém, como esta doença se é genética, os seus filhotes também terão o criptorquidismo.

Quando o animal tem o criptorquidismo bilateral, ele se torna infértil, não pdendo ter filhotes.

No geral, esta doença pode atingir cerca de 15% dos cachorros. É uma doença que pode também acometer os gatos, mais em uma proporção bem menor, de apenas, 1,5%. Sendo assim, podemos ver que não é raro que os cães tenham esta doença genética.

Conheça os principais sintomas do testículo ectópico ou criptorquidismo

Nos cães, a maneira correta, é que até os 2 meses de idade, o testículo desça até o saco escrotal, porém o diagnóstico desta doença, pode demorar um pouco mais. É comum que ele seja dado após os 6 meses de idade, que é quando o canal inguinal se fecha. Desta forma, ele impossibilita completamente as chances dos testículos chegarem até o saco escrotal.

Como se trata de um diagnóstico que pode ser dado de forma rápida, não é comum a presença de muitos sintomas. E nem a complicação desta doença, que se não for tratada da forma correta, pode evoluir para um tumor.

Os sintomas que aparecem logo no início, são, muita agitação, agressividade e hipersexualidade. Isso acontece, porque mesmo que p testículo fique preso e não chegue ao saco escrotal, os hormônios de testosterona continuam a ser produzidos.

Veja qual é o tratamento e o diagnóstico do Testículo Ectópico

O diagnóstico pode ser dado a partir de um exame de ultrassom, e também apalpando para ver onde o testículo está. Porém, a forma mais adequada para saber exatamente onde eles estão, e qual é a melhor forma de tratamento, o ultrassom é extremamente necessário.

Quando o testículo está na região abdominal, não é possível identifica-lo, pois ele não é palpável, se ele estiver na região inguinal, ele pode ser palpável, então é mais fácil de ser identificado. Desta forma, o ultrassom se torna mais eficaz, oferecendo um diagnóstico mais preciso.

O tratamento, é feito com a realização de uma cirurgia para que o testículo possa ser retirado, ou através da castração. A recuperação acontece de forma bem tranquila, apesar do animal ficar infértil, ele consegue seguir a sua vida sem nenhum tipo de sequela.

Os testículos retirados, tem predisposição para desenvolver a neoplastia a longo prazo, por isso, os veterinários aconselham, que a castração destes cães seja feita de maneira precoce, o quanto antes. Quando os testículos são retirados, o ideal é que eles sejam enviados para análises, para detectar qualquer tipo de neoplastia que já possa estar em desenvolvimento no cão.

Em alguns casos, é necessário fazer um tratamento de quimioterapia, para que assim não haja evolução do tumor, e nem maiores complicações para a vida do animal. O diagnóstico se o tumor é maligno ou benigno só pode ser feito depois que ele é retirado, feito então a análise, é possível saber se o tratamento quimioterápico será necessário ou não.

Por isso, é extremamente importante ter um profissional médico veterinário de sua confiança, que possa agir da maneira mais eficaz e correta para o tratamento do seu cão. Desde o diagnóstico, assim como o tratamento e o pós tratamento, devem ser feitos de acordo com a sua orientação, afim de promover mais qualidade de vida para o bichinho, sem que ele sofra.

Como podemos ver, está doença pode atingir qualquer cão, de qualquer raça. Se trata de uma afecção que é muito comum nos animais que apresentam pequeno porte. O maior desafio que os veterinários encontram diante desta doença, é evitar a sua propagação, já que ela se trata de uma doença genética.

O controle só pode ser feito através do melhoramento genético consciente. A transmissão do defeito genético, pode ocorrer tanto pelo macho quanto pela fêmea. Por isso, os cães que possuem o Testículo Ectópico, não devem se reproduzir.

Quanto mais cedo o problema for identificado, e o diagnóstico for dado, mais fácil será o tratamento e a recuperação do animal, evitando também que ele sofra os sintomas que já foram citados acima. Por isso, as consultas ao médico veterinário devem ocorrer com frequência, principalmente nos primeiros meses de vida do cachorro.

Vale ressaltar que os sintomas podem demorar um pouco para aparecer, e que em alguns casos, eles nem aparecem, então observe o seu cão, e se tiver qualquer suspeita tanto do criptorquismo, quanto de qualquer outra anomalia, busque imediatamente uma ajuda profissional capacitada.

O tratamento precoce, e correto, faz toda a diferença na recuperação do animal, assim como nos resultados que virão ao longo da sua vida, podendo ser absolutamente normal, sem sequelas ou problemas futuros. É importante sempre frisar na qualidade de vida do animal, buscando ao máximo aliviar qualquer sintoma ou dor, avaliando sempre cada condição especifica do cão, para ter a melhor opção de tratamento para o caso especifico.

Conhecendo mais sobre o Testículo Ectópico em Cães (Criptorquidismo), é possível que o diagnóstico venha com mais facilidade, evitando que cão sofra e tenha sequelas no futuro. Por isso é bom conhecer tudo sobre o assunto, e estar sempre observando o seu cão, além é claro, que ter um médico veterinário de sua confiança.

 


Compartilhe!
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Acompanhe nossas dicas